Novidade literária

Romance. A estória de um homem que foi à procura do seu passado, encontrou uma mulher e ficou sem futuro. Livro em formato de papel e ebook. Clicar na imagem para ir diretamente para o site da editora. À venda em Portugal e no Brasil.
Poemas de circunstância e do quotidiano. Em formato de papel e ebook. Clicar na imagem para ir diretamente para o site da editora. À venda em Portugal e no Brasil.

A Malta da Rua dos Plátanos

A “malta” são as crianças sem infância de uma época quase esquecida, decorrida entre o final da década de 40 e o 25 de Abril. Crianças, depois adolescentes e adultos, que do nada fizeram tudo, lutando e construindo o seu próprio futuro. Pode encomendar na FNAC, ao balcão, ou através do serviço online.

A Malta da Rua dos Plátanos

A noite que durou até ao 25 de Abril de 1974 tem estórias de vida muito diferentes de hoje. As épocas marcam as pessoas e as pessoas marcam as épocas em que viveram. Estórias de vida desse tempo que durou cerca de 50 anos estão espalhadas por muitos livros. Uma dessas estórias é o enredo de um romance intitulado “A Malta da Rua dos Plátanos“, editado pela Book Cover, do Porto.

Eis aqui uma síntese de apresentação:

A Malta da Rua dos Plátanos é o primeiro romance de António Garcia Barreto, publicado na sua primeira versão, em 1981, e traduzido para russo em 1983, numa edição de cem mil exemplares. A história desenrola-se na Rua dos Plátanos, em torno de um grupo de crianças, filhos da classe operária, que divide os seus dias em brincadeiras e aspirações a um futuro melhor. A “malta” são as crianças sem infância de uma época quase esquecida, decorrida entre o final da década de 40 e o 25 de Abril. Crianças, depois adolescentes e adultos, que do nada fizeram tudo, lutando e construindo o seu próprio futuro. Que das privações erigiram pensamentos e da repressão elevaram sonhos e esperança. Um romance assente na singela beleza de uma amizade de jogos de peão, abrigados pelos plátanos de uma rua que é o retrato social de uma sociedade e de um país de outros tempos, que, não esqueçamos, ajudaram a edificar o presente.

É Perigoso…

A estória de um homem que foi à procura do seu passado e ficou sem futuro.

Quando Osvaldo Ventura abandonou o seu país, aos dezanove anos, nunca supôs que, quarenta anos depois, o seu passado o chamasse de volta para lhe revelar que a vida verdadeira não foi só a que viveu, mas a que deixou para trás na vila de onde era natural.

Já à venda em formato de papel ou. ebook. Astrolábio Edições

A Malta da Rua dos Plátanos

“Quicas cumpriu a sua palavra. Procurou novo emprego em Lisboa. Afeiçoara-se à cidade, ao seu movimento, à sua pequena grandeza, ao delírio das horas de burburinho, aos pregões, às personagens exóticas que calcorreavam o Chiado, aos anúncios luminosos, fontes de luz multicor a escorrer do alto dos prédios. Um mundo completamente estranho ao pulsar da Rua dos Plátanos, um coração gigante a bater no peito do país. Talvez fosse por esses pequenos encantos e desafios que a cidade o seduzia tanto. Comprou o jornal e leu as páginas com ofertas de trabalho de uma ponta a outra. Selecionou dois anúncios que o interessaram, pegou numa caneta e em papel e alinhavou as respostas como melhor lhe pareceu. Não era tarefa fácil, mas desenvencilhou-se.

“António Garcia Barreto in “A Malta da Rua dos Plátanos“, Book Cover Editora, Porto, 2019