Jornais de esquerda

Por que razão a esquerda democrática não tem nenhum jornal diário online, deixa-me estupefacto e triste. Não há jornalistas de esquerda? Não há dinheiro? Talvez a resposta seja: não há interesse. O trabalho da esquerda no governo é não desagradar à direita, desde que o governo se possa manter. É uma esquerda mansa, com interesses que se confundem em grande parte com a direita não arruaceira. Uma direita silenciosa ainda muito ligada à ideia de que a política é para os políticos, desde que estejam do nosso lado. Já não há ideologias, apesar da nomenclatura ainda se usar. Hoje é tudo muito pragmático. Se os políticos estão bem, o mundo é perfeito. O problema é que parece que sempre foi assim, com mais ou menos encenação. Daí que um jornal porta-voz do socialismo democrático não seja, afinal, uma prioridade. Volto a dizer: hoje é tudo muito pragmático e muito cheio de esquemas e conveniências. Os jornalistas trabalham por encomenda e à peça e só os de direita têm ideologia. Nascem com ela agarrada à pele. É uma doença de família. A classe média rasteirinha está mais interessada em show-off, concursos e baboseiras. É muito importante fazer uns gestos com os dedos. É a nova dimensão de vanguarda.