O COMISSÁRIO MONTALBANO

9F61A963-D2C0-46A3-BC99-83539929865CNão se pode imaginar a cultura mediterrânica sem considerar a obra narrativa de Andrea Camilleri (1925-2019), o genial autor que em 1989 era conhecido pela sua ligação ao teatro (foi professor na Academia Teatral) e que, em 1994, publicou o primeiro romance policial, criando a figura do comissário Montalbano, como homenagem ao conhecido escritor espanhol Manuel Vásquez Montalban.

Andrea Camilleri e o Comissário Montalbano – por Manuel Simões

A série policial do Comissário Montalbano passou há menos de um ano na RTP2, aos sábados. Vale muito a pena ver. Mas não sei se voltarão a repeti-la. A fotografia acima é do escritor.

 

Nuno Bragança

“Nuno Bragança? Não conheço nenhum escritor com esse nome”

Passamos a apresentar: aristocrata da casa de Bragança, descendente do rei D.Pedro II, boxeur, boémio, radical fundador das brigadas revolucionarias, libertador da língua portuguesa, escritor.

(in jornal Observador)

nuno_braganca

Um dia peguei numa caneta, em um tinteiro e em uma folha de papel, e fui sentar-me a uma pequena mesa em um pequeno gabinete, e escrevi no alto da folha e em letras grandes:
U OMÃI QE DAVA PULUS
Depois chupei o rabo da caneta, que sabia a lavado e a polido, e escrevi por baixo e em letras pequenas o seguinte:
U omãi qe dava pulus era 1 omãi qe dava pulus grãdes.
El pulô tantu qe saiu pêlo tôpu.
Isto feito levei o papel ao meu tio Maurício, que estava sempre a ler jornais. O tio Maurício olhou para o meu escrito e foi-se embora com ele sem me dar palavra. Dois dias mais tarde reuniu-se o III ConselhodeFamíliaporcausadoPequeno.

Nuno Bragança, “A Noite e o Riso” in “Obra Completa”, Dom Quixote, 2009

Parabéns, Bocage

BocageDe cerúleo gabão não bem coberto,
Passeia em Santarém chuchado moço,
Mantido às vezes de sucinto almoço,
De ceia casual, jantar incerto;

Dos esburgados peitos quase aberto,
Versos impinge por miúdo e grosso,
E do que em frase vil chamam caroço,
Se o quer, é vox clamantis in deserto.

Pede às moças ternura, e dão-lhe motes!
Que tendo um coração como estalage,
Vão nele acomodando a mil pexotes.

Sabes, leitor, quem sofre tanto ultrage,
Cercado de um tropel de franchinotes?
É o autor do soneto: é o Bocage!

Manuel Maria de Barbosa l’Hédois du Bocage in “Poesias”

(nos 254 anos do seu nascimento)

Arturo Pérez-Reverte 

(Nota: estas citações foram retiradas da revista Visão de 18/09/2016) 

Arturo Pérez-Reverte, o escritor espanhol mais lido no mundo, acredita que a humanidade “já viveu a sua melhor época”. À VISÃO, fala do seu novo livro, Homens Bons, e carrega no pessimismo: “O mundo é um sítio perigoso, cheio de filhos da puta”

(…)

Sim, claro. O mundo é um sítio perigoso, cheio de filhos da puta. O terrível é que o Ocidente e tudo o que custou tanto a construir ao longo dos séculos, liberdades e direitos, com os bons e nobres valores de que falam os protagonistas do meu romance, está a morrer, a desaparecer… E não voltará. Os jovens ignoram-no. Nem se ensina nas escolas…

(…)

É uma cultura de facilidade. Temos medo de traumatizar os meninos com a Ilíada, ou com a História… O objetivo principal passou a ser não haver insucesso escolar, e nivela-se tudo muito por baixo. Os sistemas de educação no mundo ocidental, hoje, são feitos para normalizar e desprezam os mais inteligentes. Não se valorizam nada as elites, a própria ideia de elite está mal vista, tem muito má imprensa… Veja-se a mediocridade na política espanhola, ou europeia, ou portuguesa. Onde está um Churchill, um Adenauer, um Kennedy? Logo na escola olha-se de lado para um indivíduo singular, brilhante, destacado. Torna-se suspeito e parece que é preciso igualizar todos. Mas nós não somos todos iguais!

Fonte: Visão | “Estamos desorientados. Mas tenho 65 anos, já não quero saber”

Os livros de Julio Verne: grande tesouro literário da humanidade

Hablar de los libros de Julio Verne es ahondar en un mundo de ciencia ficción muy bien elaborado, propio de un genio. Ven y conoce más de su obra y su vida.

Hablar de los libros de Julio Verne es hablar de uno de los tesoros más grandes de la literatura mundial. Este escritor y poeta nació el 8 de febrero de 1828 en Nantes, Francia. Su extenso trabajo ha trascendido y es reconocido globalmente como uno de los principales y más importantes aportes que dieron paso al comienzo del género de la ciencia ficción en la literatura. Luego de una vida llena de sucesos, a la edad de 77 años y sin dejar de escribir, murió a causa de la diabetes.

Fonte: Los libros de Julio Verne son un gran tesoro literario de la humanidad.