Melancolia

Contigo viajo à procura do sol
de sorrisos cristalinos
como o orvalho das manhãs
para acender a luz e
iluminar a minha tristeza

Minha amiga, alma gémea
minha caderneta de versos
que escrevo nas manhãs cinzentas
quando tu vens procurar
o meu silêncio e dormir a meu lado
num conforto de palavras

Não penses que te amo
embora andes sempre a meu lado
desafiando-me a quebrar
Não conseguirás impedir-me
de procurar o sol das tardes mornas e
doces, de produzir canções alegres
e de caminhar pela vida
de rosto iluminado e olhar determinado
Não me derrotarás, melancolia.

© António Garcia Barreto