Covid-19 e estupidez

Barrada a entrada de portugueses em dez países europeus, porque o índice de infectados pelo Covid-19 está acima de 20-25/100.000 habitantes. O governo assobia para o lado e diz que vai responder a esses países. Acho bem. Mas não seria melhor atentar nesses grupos que se juntam para festanças de onde depois saem infectados, de empresas que têm pessoal a trabalhar sem as condições de segurança (a televisão tem passado essas situações), da malta da construção civil que trabalha lado a lado sem usarem máscara (aqui à minha frente há um prédio com trabalhadores nessas condições e conheço outros), de abrirem as portas aos negócios cedo demais, de receberem a Web Summit, a Champions? Ontem morreu um médico com Covid-19, após quarenta e tal dias nos cuidados intensivos, médico de 68 anos e sem doenças. Começámos bem, mas estamos a ir mal, com mais casos de infectados, porque começam a desaparecer as campanhas de cuidados a ter face à pandemia e porque há pessoas suficientemente estúpidas que se estão borrifando para eles próprios e para os outros. Quem controla estas situações?