O lume desses sinais

Izidro AlvesAinda guardo na minha carteira
o número do teu telefone
os bilhetes de cinema rasgados
o totoloto feito a meias.
Não sei porque guardo tudo isto
eu que não gosto de recordações.
Mas talvez seja por nada já fazer sentido
ou pelo sentido que tudo isto ainda faz.
Agora que até para morrer é tarde
ainda guardo na minha carteira
o lume desses sinais.

Izidro Alves in “Terna Ausência”, Porta do Cavalo, Lisboa, 2005