Na paz e na guerra (trecho)

CachapaNesta Páscoa irei em direcção às macieiras. Hão-de estar floridas. Se tudo correr bem. O ar húmido há-de estar cheio das ervas e dos pinhais vizinhos. Mas se o tempo aquecer vou ouvir o barulho das asas minúsculas dos insectos. As mil batidas de cada asa, repetidas vezes sem conta. E vou sentir o silêncio. Nesse silêncio hei-de pensar na filha que estará a brincar, contente, com os primos. Todos armados em selvagens a correr sem perigo pelo meio das árvores. E não vou ter medo por nenhum de nós.
Algures no mundo há-de estar outro homem como eu. Alguém da minha idade. Alguém que ainda não sabe como tempo passou tão depressa que a pessoa que ele era se multiplicou em família. (…)

Possidónio Cachapa in “O Meu Querido Titanic”, Oficina do Livro, 2005