Arturo Pérez-Reverte 

(Nota: estas citações foram retiradas da revista Visão de 18/09/2016) 

Arturo Pérez-Reverte, o escritor espanhol mais lido no mundo, acredita que a humanidade “já viveu a sua melhor época”. À VISÃO, fala do seu novo livro, Homens Bons, e carrega no pessimismo: “O mundo é um sítio perigoso, cheio de filhos da puta”

(…)

Sim, claro. O mundo é um sítio perigoso, cheio de filhos da puta. O terrível é que o Ocidente e tudo o que custou tanto a construir ao longo dos séculos, liberdades e direitos, com os bons e nobres valores de que falam os protagonistas do meu romance, está a morrer, a desaparecer… E não voltará. Os jovens ignoram-no. Nem se ensina nas escolas…

(…)

É uma cultura de facilidade. Temos medo de traumatizar os meninos com a Ilíada, ou com a História… O objetivo principal passou a ser não haver insucesso escolar, e nivela-se tudo muito por baixo. Os sistemas de educação no mundo ocidental, hoje, são feitos para normalizar e desprezam os mais inteligentes. Não se valorizam nada as elites, a própria ideia de elite está mal vista, tem muito má imprensa… Veja-se a mediocridade na política espanhola, ou europeia, ou portuguesa. Onde está um Churchill, um Adenauer, um Kennedy? Logo na escola olha-se de lado para um indivíduo singular, brilhante, destacado. Torna-se suspeito e parece que é preciso igualizar todos. Mas nós não somos todos iguais!

Fonte: Visão | “Estamos desorientados. Mas tenho 65 anos, já não quero saber”