Exercícios de prosa: os pardais

Na rua havia o Café Pardal. Lá dentro havia dois pardais. O senhor Pardal, dono do café, e um pardal que esvoaçava de mesa em mesa, meio apardalado. O senhor Pardal pegou numa vassoura para afastar o pardal do café. O pardal assustou-se e caiu dentro de uma chávena de café. Por azar dentro de uma chávena de café duplo. De penas encharcadas pelo aromático café, o pardal foi-se embora, a custo. Parecia uma avião no limite da carga. Voltou no dia seguinte com dois amigos, pardais como ele. No café passaram a existir quatro pardais. Uma autêntica pardalada. O senhor Pardal voltou a pegar na vassoura perseguindo os pardais que se refugiaram na cozinha em cima de uma pilha de jornais. Foi então que entrou um caçador e com quatro tiros matou os pardais.

Dias depois, o café passou a chamar-se Café Caçador, exibindo na entrada uma placa com três pardais. O outro foi a enterrar, estava a mais.