Animalidades

E então chegámos a isto: as pessoas amam os animais acima do seu semelhante. Não que se deva tratar mal os animais, muito pelo contrário. Mas o que se está a passar é uma autêntica incapacidade de estabelecer relações com o outro, o ser humano que está ou vive ao nosso lado, porque este exige contraditório e não faz o que a gente quer. O animal, não. Mesmo o animal selvagem dificilmente se vira contra um ser humano, a não ser acossado por este, ou desde que veja invadido o seu território. Devido ao abandono e maus tratos a animais, surgiram as associações de defesa dos animais, dando-lhes abrigo e alimentando-os. Nesse meio heterogéneo, há gente que acaba mais preocupada com os bichos do que com o seu semelhante. Desculpam-se dizendo que não acreditam mais nos outros: nos homens, nas mulheres, nas pessoas. Às vezes tomam atitudes imbecis, que só lhes fica mal. Acham-se donos da razão. E agora, a cereja no topo do bolo: começam a aparecer, um pouco por todo o lado, mascarados que para defender os animais prometem atacar pessoas. Quem se mascara tem medo, não quer ser reconhecido. Ou então sob a capa da defesa dos animais o que pretendem é estabelecer um certo caos, fomentar o medo nas pessoas, abrindo a porta aos salvadores do mundo. Usando até um acrónimo que remete para confrontos históricos recentes. A História ensina-nos que os salvadores do mundo nunca salvaram ninguém. Nem a eles próprios.

Autor: António Garcia Barreto

Um tipo à procura de palavras para escrever frases que falem de coisas inúteis.

Um pensamento em “Animalidades”

Os comentários estão fechados.