O dever

O dever acabou, o estúpido dever, o dever que me dominava a vida com um peso de chumbo, o dever de fazer todos os dias as mesmas coisas inúteis. Respiro.

Se Deus não existe e a outra vida não existe – se disponho só desta vida, os deveres que tenho a cumprir são apenas os do instinto. Só tenho deveres enquanto não me pesam. Não te deixes iludir.

Raul Brandão in “Húmus”