Os gatos resguardam-se da chuva

Os gatos resguardam-se da chuva.

Alguém diz o teu nome à janela,

olhando as aves que partem para o sul.

 

Há uma memória embaciada de outro outono,

cinzas no pátio,

o cheiro de alguma coisa que morre, mas não dói.

 

Maria do Rosário Pedreira, “poesia reunida”, Quetzal, 2012