Festival Literário

Cinco L, o festival literário que o PCP quer para Lisboa

Vereadores comunistas lamentam que a literatura esteja “praticamente omissa” das políticas culturais da câmara e propõem um evento que chame os “grandes nomes”

Língua, livros, literatura, leitura e livrarias. São estes os “cinco L” que devem estar no centro de um festival literário a realizar em Lisboa todos os anos, a partir de 2019. Isto é o que sugerem os vereadores do PCP, que aproveitaram o Dia Mundial do Livro, que esta segunda-feira se celebra, para formalizar uma proposta à câmara da capital. 

(Jornal Público de 23 de Abril de 2018, artigo de João Pedro Pincha. Clicar no link para ler o texto completo no jornal)

 

Eis o que parece ser uma proposta muito interessante da parte do PCP para dinamizar na cidade e no país a “língua, livros, literatura, leitura e livrarias“. Não conheço da proposta mais do que vem no jornal. De qualquer forma, é um passo em frente, que, bem aproveitado, pode ser “a pedrada no charco”. Da parte do Ministério da Cultura não se espera nada. O ministro é um poeta (mas muito diplomata), o que não significa que seja um bom gestor da área. A verba do Orçamento para a Cultura será exígua; mas haverá formas de ultrapassar situações quando há ideias e vontade. A proposta do PCP é uma ideia e uma vontade. Espera-se, contudo, que a ir para a frente a iniciativa sirva, sobretudo, a literatura portuguesa, e não só os “grandes nomes” estrangeiros. E que não seja apenas (ou transformada) (n) uma proposta turística, para estrangeiro ver e comentar.