Os malabaristas políticos

A classe política está cheia de artistas de malabarismo político. Há uma geração que despontou sem ideais e que apenas se preocupa com a cor da gravata e em chegar à manjedoura para alambazar-se de amigos bem colocados e de eventuais prebendas do cargo. Todos têm currículos de fazer inveja a Einstein. E os que não têm inventam-nos naquilo que interessa inventar. O que se vai sabendo é o que a comunicação social vai tirando debaixo do tapete. Muita coisa deve estar ainda envolta em pó, à espera de uma ventania.

Surgem uns casos enquanto outros mais antigos entram de quarentena para voltarem depois limpos e asseados. Tentam eles fazer-nos acreditar nessa limpeza de carácter. Todos os dias conhecemos mais um caso (e não é apenas na política, mas em áreas que se interligam, como o futebol e a política). Uma Justiça pouco credível, lenta e ineficaz, também ela atravessada por casos, deixa-nos bem colocados para competirmos com o Brasil na arte do malabarismo político.