Música

Grave som de alegria, o violoncelo

Passa lento na alma, em ela freme:

Murmuremos então ao corpo duplo,

Às bocas e às mãos, e aos desmaios, 

Às secretas pesquisas que não temem

Nem vergonha, nem dor, nem a verdade:

Amor é isto, um arco de alegria

Sobre a corda esticada do orgasmo.

 

José Saramago, “Provavelmente Alegria”