A vacinação em Oeiras

Não posso deixar de enaltecer o trabalho da CM de Oeiras dirigida por Isaltino de Morais, a que não é alheio o seu empenhamento direto, pela forma como conseguiu no nosso concelho centralizar a vacinação para o Covid-19, em Carnaxide, no Pavilhão Carlos Queiroz, organizando as ações de modo a que tudo corra de forma rápida, ordeira e simpática. A simpatia vem de todos os presentes, enfermeiros e auxiliares, em particular do grupo de jovens que apoiam e asseguram o bem-estar dos mais velhos naquele local. E, no final, quem acabou de tomar a primeira dose da vacina ainda leva uma simpática oferta.

Entrevista no DN

Entrevista de Maria João Martins no DN de hoje. Referência ao lançamento de A Malta da Rua dos Plátanos em conjunto com o DN e o JN a partir do próximo dia 04/04, e por todo o mês de abril, por apenas + 8 euros.

Estórias curtas

Um dia, numa ida ao dentista, a médica que me assistia disse-me que um dos meus dentes do siso, do qual não tinha queixas, estava a babar uma purulência qualquer não visível a olho nu. Só a radiografia à boca revelou a situação. Havia que extrair o dente. Marcámos dia e hora. Lá me apresentei. Sentei-me na cadeira, bochechei a boca e a médica anestesiou-me a zona. Passado pouco começou a extrair o dente do siso. Surge um problema. A médica não tinha força para fazer a extração (situação idêntica ocorreu de outra vez com outra médica com o outro dente do siso). Então a médica chama um colega da sala ao lado, um tipo mastodonte. Mais anestesia. O mastodonte encosta a barrigona à minha cadeira, dá um puxão com o extrator, os meus óculos voam do meu rosto aterrando no colo da médica que estava sentada ao meu lado, e o dente ficou no mesmo sítio, embora já um pouco abalado. Vem outro médico, mais novo, repete o gesto e o dente nem mexeu. É então que a médica se lembra de chamar um colega brasileiro de outra sala (era uma clínica grande, de uma grande companhia), que possuía um extrator feito por ele ou por ele aperfeiçoado. O médico brasileiro apareceu sentou-se ao meu lado, usou o seu extrator com saber e subtileza e extraiu-me o dente com mãozinhas de veludo. Não houve palmas para o médico. Mas todos reconheceram que o seu extrator era uma maravilha. Neste jogo clínico Portugal perdeu 3 – 1 com o Brasil.

Ler de tudo um pouco

A vantagem de ler amplamente, em vez de tentar formular uma série de regras gerais, é que aprendemos que não existem regras gerais, apenas exemplos individuais para ajudá-lo a apontar a direção que você pode querer seguir.

Francine Prose, escritora EUA

Precisamos de humanidade

Pensamos muito e sentimos muito pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade; mais do que inteligência, precisamos de bondade e gentileza. Sem essas qualidades, a vida será violenta e tudo estará perdido.

Charlie Chaplin

DN ou JN + A Malta da Rua dos Plátanos

INFORMAÇÃO
Durante todo o mês de abril (todos os dias em banca), o romance A MALTA DA RUA DOS PLÁTANOS será vendido em conjunto com os jornais Diário de Notícias ou Jornal de Notícias, por apenas + 8,00€. 😁